quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Relações (im)pessoais

Olá, olá anotadores.
Hoje, queria dividir com vocês alguns, digamos... Pensamentos! Queria muito saber a opinião de vocês, quanto ao assunto que vou falar aqui. :)
Atualmente, cumprimentar o porteiro, dar um simples "bom dia" aos que estão conosco no nosso dia-a-dia, são atitudes que a maioria da população não pratica. Na verdade, podem até praticar em épocas especiais, como Natal, Ano Novo. Se no nosso passado, essas ações eram sinal de uma boa educação, na velocidade da vida atual acabam se tornando atitudes sem um mínimo valor. Por conta disso, à medida que o nosso mundo globalizado se movimenta, as nossas relações humanas perdem cada vez mais a sua importância.
E os tradicionais casamentos? Aquela época de "para vida toda", mudou para "que seja eterno até eu aguentar". Não que eu concorde, que no casamento as pessoas devem sofrer para honrar o compromisso com seu cônjugue. Mas, queria que as pessoas fossem um pouco mas esforçadas e não desistissem tão fácil de um casamento. Na verdade, o casamento está ficando cada vez mais vulgarizado hoje em dia. Briga, termina, volta, se acerta, briga e por aí vai. Fazendo com que a vida a dois se torne cada vez mais difícil, parece que a maioria das pessoas não fazem por menos e arrumam desculpas e mais desculpas para arranjar um briga qualquer e assim ter a famosa "DR"... Aos que não concordam, me desculpem, mas sou a moda antiga e gosto muito de tranquilidade.
Problemas no casamento, problemas fora dele. De fato, a maior competitividade do mercado de trabalho faz com que tenha desarmonia entre profissionais. A luta por vagas e melhores cargos nas empresas gera o crescimento da intolerância.
Nesse meio social, esse cotidiano estressante se reflete também nas irracionais discussões no trânsito e nos casos de violência gratuita.
O antigo convívio familiar, onde as conversas eram fundamentais, foi trocado pelo som do rádio e da televisão. Um pouco contraditório não acham? Esses aparelhos criados para ampliar a comunicação, acabam gerando uma certa falta de comunicação, fazendo com que assim as relações familiares fiquem cada vez mais frias.
Bem, foi um desabafo do que eu tenho visto diariamente, e que sim, me incomoda. De nada custa a pessoa ter um simples bom senso e ver que cada vez mais, nos tornamos mais profissionais que amigos e ficamos quase tão frios quanto as nossas inovações tecnológicas.

Besitos e follow: @lara_ruiva.
;*


8 comentários:

Paulo Tamburro disse...

LARA,

PARECE QUE COMBINAMOS, POIS NO MEU BLOG -QUE É DE HUMOR - EU ESTA SEMANA ESCREVÍ UMA CRÔNICA QUE GOSTARIA QUE VOCÊ SINCERAMENTE, DESSE UMA OLHDA E VISSE AS COINCIDÊNCIAS INCRÍVEIS EXISTENTES.

ENTÃO VOU FAZER-LHE UM CONVITE:

O MEU BLOG: “HUMOR EM TEXTO”,

DESTA SEMANA, FALA SOBRE NOSTALGIA,MAS NÃO É UM DRAMALHÃO DE NOVELA , E SIM COLOCAÇÕES OTIMISTAS E ALEGRES SOBRE O TEMA.

SERIAM MESMO, ESTAS LEMBRANÇAS DO PASSADO E CERTA DESILUSÃO COM O QUE ESTAMOS ASSISTINDO, SOMENTE NOSTALGIA, OU VIVEMOS UM NOVO MUNDO DE ESPERANÇAS?

E CREIA,SEU COMENTÁRIO É MUITO MAIS IMPORTANTE QUE A MINHA CRÔNICA.

FICAREI HONRADO COM A SUA PRESENÇA.

UM ABRAÇÃO CARIOCA.

Janaina Bernardes disse...

Até pode ser que as relações estejam mais frias e impessoais, por conta do corre corre do dia-a-dia, do estresse que é ganhar dinheiro e pagar as comtas. Mas acho que não podemos desistir de olhar nos olhos das pessoas e desejar bom dia, sorrir, agradecer, desculpar... Afinal, gentileza gera gentileza, isso é uma verdade! Tenho um artigo bacana, que combina muito com seu tema de hoje. O título dele é: "Você já sorriu hoje?". Ele está no meu blog, que se encontra super desatualizado, não repare. Estou migrando para outro, depois te envio o link. Mas de qualquer forma dá uma olhada no artigo. O link é: http://migre.me/17k0c Abraços, parabéns pelo Anotado no Caderno, tá muito bacana!

Andresa Vaz disse...

Apoiada Lara!!
muito bom mesmo a forma que foi abortado!
não é questão de conservadorismos...
mas sim de caráter! Ao meu ver!
Estrutura familiar é além de dinheiro... é carinho, amor, atenção...
muito bom mesmo!

beijos

Anônimo disse...

Ótimo texto Lara, parabéns.
É difícil, hoje, encontrar alguém que não se ocupe, de algum modo, com a qualidade de vida. Prática de exercícios saudáveis, alimentação equilibrada e, de preferência, sem aditivos químicos, horário para o lazer e muito mais. Mas, se há um movimento geral de investimento nesse sentido, parece não haver o mesmo na área das relações humanas. E é impossível pensar em qualidade de vida sem considerar os relacionamentos. O ser humano não vive isolado, afinal. E como andam essas relações? Pelo jeito, numa corda bamba.
Há quem ache que essa indiferença seja uma coisa natural, já que o fato de duas pessoas serem vizinhas não significa que tenham algo em comum. Vá lá. Mesmo assim, é bom lembrar que só o fato de morar no mesmo prédio, rua ou bairro já significa ter muitas questões a resolver juntos, em colaboração. No mínimo, um “bom dia, como vai?” mostraria reconhecimento e disponibilidade para tanto.
Talvez seja esta uma hora bem apropriada para uma reflexão a respeito de nosso compromisso -ou a falta dele- com os relacionamentos pessoais e profissionais. Afinal, já deu para perceber, a esta altura, que apostar no individualismo não produz os efeitos desejados ou sonhados. Ao contrário, nos remete ao vazio de uma existência carente de sentidos e ideais.

dear sarah disse...

My sweet.
Acho que tudo isso que escreveu um desabafo a muitos.
Eu já acho que essas características fazem parte da boa educação que herdamos dos nossos ancestrais.
Tudo bem. Varia de humor, de tempo, de precisão, de como você está se sentindo atualmente.

A verdade é que o egoísmo tem aflorado cada vez mais a vida das pessoas, estamos mais envolvidos com nossos problemas interpessoais que acabamos nos esquecendo do mundo social que gira a nossa volta e que acaba afetando muito.

Mas é aquilo, algumas pessoas corrompem os bons costumes.
A mudança tem que partir de nós !

Modesto disse...

No final, todos sabemos oq é certo e o que é errado. Mas o universo conspira tanto pras coisas caminharem contra nossas vontades de fazer a coisa certa. Somos pobres de alma por não conseguir fazer as coisas certas, ou loucos se conseguirmos levar a frente uma vida como deveria ser, com flores e boa educação. O segredo é simplesmente amar sem esperar retorno, por mais doloroso que isso pareça.

Júnior disse...

Oi, Lara. O blog é muito muito bom, coloca no nosso cotidiano ótimas dicas e bons pensamentos, como esse seu "desabafo", o qual achei excelente. Parabéns!
Acho que um dos segredos também é a generosidade.
Ser generoso significa sacrificar seus interesses em benefício do outro, diz o dicionário Houaiss. Como a criança aprende muito observando seus pais e os adultos significativos de seu entorno, seria bom que tivesse oportunidades de presenciar atos generosos da parte deles. E vamos reconhecer que, em uma sociedade individualista, a generosidade não é uma virtude em alta no mundo adulto. Se quisermos melhorar o mundo em que vivemos, precisaremos praticar a generosidade sempre que tivermos oportunidade.

Gostei muito do blog. Com certeza voltarei.
Abraços... Júnior! :D

karla C. disse...

Infelizmente, na atualidade a gentileza tornou-se algo impraticável. Ninguém tem tempo pra cumprimentar as pessoas ou apenas sorrir. Aliás, os sorrisos perderam seus valores. Se alguém diz 'oi' pra outra pessoa, logo se pensa que há uma segunda intenção. As pessoas têm medo umas das outras, é algo horrível! E qualquer tipo de relacionamento está sendo banalizado. Amizades acabam apenas por uma opinião diferente. As pessoas namoram procurando um parceiro para o prazer e não para o amor. Ninguém quer construir lares. Tá, sempre tem exceção. Um abraço.

http://viciose.blogspot.com/