sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Noite Quente: Christiane L.

É até redundante dizer que sexta à noite é noite quente... Na verdade escolhi esse nome pra nossa coluna pra fazer um trocadinho com o esmalte. Eu sou viciada em esmalte. Tá, primeiro em sexo. Depois em chocolate. Depois em esmalte.
O Noite Quente é um roxo lindo e roxo pra mim é A cor da sensualidade. Todo mundo diz que é vermelho, mas esmalte vermelho pra mim é renda. ROXO é esmalte de sair pra caçar, pra aloprar.

E tem dia melhor do que uma sexta à noite pra enlouquecer?

Pra quem não me conhece sou Christiane L. Não sou nem drogada nem prostituída, mas sou TARADA por sexo (redundante?)! Solteira do cabelo até o dedo do pé, desbocada, sensual, sei separar sexo de amor, aliás, o que é o amor mesmo, hein? Sexo pra mim é uma arte, faço por prazer, mas também com fins investigativos, às vezes pra matar o tempo, mas NUNCA simplesmente pra agradar o outro.  São coisas que aprendi com a vida, com o tempo, levando muito na cara, mas batendo também.

Sou pisciana, mas tão pisciana que se a Terra mudasse de órbita e o Sol saísse do lugar, ainda assim eu seria pisciana. Os signos mudaram e eu continuo sendo pisciana. Romântica demais e sonhadora demais, o pior signo do zodíaco no que diz respeito a relações interpessoais.

Por isso aprendi a pensar que nem homem, a sublimar o que diz o meu coraçãozinho e agir como eles agem comigo. Finjo que sou durona. Finjo mesmo, na cara de pau. Finjo tanto que até eu acredito ser aquilo. Aprendi com Fernando Pessoa: “O poeta é um fingidor. / Finge tão completamente / Que chega a fingir que é dor / A dor que deveras sente”. Se poeta pode fingir, uma tarada como eu não pode??



Como o tempo (e alguns conselhos de amigas) aprendi a agir como eles também pelo bem, ser meiga, ser carinhosa. Mas só às vezes. Normalmente trato os homens como objetos sexuais, seres inferiores que só servem pra me servir. Engraçado é que não tem meio termo nas reações: uma parte me manda pra p()/(&/$”#”$&que )((/%&o =)(/(%$&p(&%/ariu, outros se apegam e me adoram!

Obviamente eu só me apaixono pelos que me mandam pra aquele lugar, porque ao contrário a vida seria fácil demais, as coisas seriam simples demais e eu só gosto de coisa difícil. A Como diria a Marina Lima: “Mas acontece que eu / Eu tenho esse vício / De gente difícil no amor / Alguém lá no início / Me aplicou / E me fez louca / Me fez pouca / Me fez o que sou / Difícil / (nem sempre)

Bom, mas chega de divagar sobre a minha pessoa. Esse espaço é pra falar de sacanagem, de sexo, de relacionamentos, de pensamentos, de sexo, de sexo, de mulheres, da nossa visão sobre o mundo, sobre os homens. É claro, que as coisas vão ser vistas através dos meus olhos sensuais, que carregam alguns pouquíssimos pré-conceitos aqui e ali. Vamos jogar com o senso-comum, com os clichês, com as generalizações. Vamos botar isso aqui tudo de cabeça pra baixo.

E você estão convidadíssimos não só pra acompanhar as nossas digressões, mas a participar delas, comentando, enviando sugestões, botando a boca no trombone. Então vem, aproveita essa sexta-feira, final de festa, e deita aqui do meu ladinho, vem... hummmmm!!!!



Siga-me no twitter: 

Leia outros contos em:



2 comentários:

'Lara Mello disse...

Adorei! Também amo falar de sexo!! Já tem uma seguidora! Bju

nildenini disse...

Adorei... é a minha cara! rsrsrs